Reunião de Condomínio

No dia em que ninguém podia, pelas horas mais inconvenientes, à entrada do prédio urbano sito em qualquer rua do país, reuniram os condóminos em Assembleia de Condóminos Extraordinária, devidamente convocada nos termos da lei, para se discutir sobre os pontos de trabalho.


Entrando no Ponto Um da Ordem de Trabalhos, tomou da palavra o Sr. Sicrano, que se demonstrou incomodado com a falta de ação no melhor conseguimento do bem-estar de todos os condóminos. Visivelmente gordo, obviamente arfante, aponta a ausência de elevador como um ponto de tensão. Descarta que seja impossível a referida construção, muito embora a falta de espaço não a permita.


Confrontado pelo Administrador do Condomínio sobre as quotas em atraso, refere, no entanto, que pagará de bom grado a sua parte, por permilagem, das obras de instalação do dito elevador. Em súmula, o Sr. Sicrano, já anteriormente designado por gordo e arfante, realça a importância que tem para si aquele equipamento. O Administrador do Condomínio pretende que fique em acta, para que conste, que o Sr. Sicrano reside no rés-do-chão direito.


Pediu da palavra a Sra. Beltrana em nome do marido, que não compareceu na reunião por ter sido ameaçado no passado (segundo se lembra à faca) pelo condómino do terceiro esquerdo, que também não se encontrava presente por, segundo esta, ser muito medroso, atarracado e não saber usar uma faca. Nada tem a declarar sobre a proposta de construção do elevador, embora se queixe das cruzes.


Seguindo-se para o Ponto Dois da Ordem de Trabalhos, usou da palavra o Administrador do Condomínio para afirmar que estava em atraso, por parte de alguns condóminos, o pagamento da limpeza das escadas. O Sr. Fulano, detentor da fração correspondente ao quarto esquerdo, declarou ser mais prudente, face à proposta do condómino gordo e arfante, dispensar-se por enquanto a limpeza das escadas. O Administrador do Condomínio interpôs remetendo para a acta da reunião de há três mil e duzentos anos, onde se pede, pela primeira vez, os pagamentos em atraso deste condómino.


Pediu da palavra a Sra. Y, logo interpelada pela Sra. X, com a qual tem contencioso desde os anos sessenta sobre a infiltração do alçado sul. Conquanto o Administrador do Condomínio não quisesse retomar o tema da paternidade da infiltração, as referidas condóminas acusaram-se mutuamente, pretendendo ambas que fique de novo em acta que a outra é a responsável. Concordam, no entanto, que a proposta do elevador, mesmo que não exequível, agravará a infiltração que tanto acarinham, em guarda partilhada, desde 1964.


Nada mais havendo a tratar, foi dada por encerrada a Reunião Extraordinária da Assembleia de Condóminos, que terminou tarde de mais, dela se tendo lavrado a custo a presente Ata, que foi lida e desaprovada por todos os condóminos presentes.


Fonte: Jornal de Notícias

https://www.jn.pt/opiniao/afonso-reis-cabral/reuniao-de-condominio-15309400.html